Atendimento de Segunda a Sexta - 8:30 às 12:00 | 13:00 às 19:00
(48) 3626-2407
Facebook Sinpaaet

Unisul tem suas contas bloqueadas por não pagar salário do mês de abril aos funcionários

Unisul tem suas contas bloqueadas por não pagar salário do mês de abril aos funcionários
Compartilhar no Facebook Tweetar

22/05/2018

unisul-tem-suas-contas-bloqueadas-por-nao-pagar-salario-do-mes-de-abril-aos-funcionarios

Em ação movida pelo Sinpaaet, no dia 9 de maio, por atraso de salários do mês de abril de 2018, com pedido liminar de bloqueio de contas, o juiz da 2ª Vara do Trabalho de Tubarão determinou, no dia 21 de maio, o bloqueio de R$ 3,6 milhões. Tal decisão atende o pedido em ação do Sinpaaet, que havia solicitado bloqueio no valor de R$ 5 milhões, por entender que este era o montante que ainda faltava ser pago da folha de pagamento do mês de abril. A proposta apresentada pela Unisul ao Sinpaaet, no dia 17 de maio, estabelecia que o salário seria pago somente no mês de agosto, sendo que o Sindicato prontamente não aceitou. Para Gisele Vargas, presidente do Sinpaaet, "não havia como aceitar a proposta da Universidade, pois estamos tratando de um direito básico, de verba alimentar, não há como esperar até agosto para receber o salário de abril. O que os trabalhadores farão com as contas até lá? E comer - necessidade básica de todo cidadão? Adia-se até agosto também?" Além disso, a presidente destaca que "É um desprezo total com as pessoas que fazem da Unisul a Universidade que ela é”.
O Sinpaaet vem dialogando com a Unisul desde 2017, quando esta vem recorrentemente atrasando os salários dos funcionários. Acordos verbais eram realizados, porém nunca cumpridos, pois as desculpas da instalação de uma crise econômica/financeira na instituição sempre foram apontadas.
Com o aumento da crise no Brasil, e sem a tomada de medidas que alterassem profundamente a sua estrutura, a Unisul propôs ao Sinpaaet, em outubro de 2017, a redução da carga horária e respectivos salários de seus funcionários, numa medida emergencial. Esta medida não seria para enfrentar a crise, mas sim para que a Unisul pudesse obter fluxo de caixa, tão somente, e não atrasar os salários nos próximos meses. Sucessivas assembleias com a categoria foram realizadas. Propostas construídas com a categoria foram apresentadas para a Reitoria numa forma de solução para a crise da instituição. Inclusive um grupo de trabalho, no âmbito da Câmara de Vereadores, foi criado com o objetivo de estudar possibilidades de solução da crise para apresentação para a Reitoria e para o Conselho Curador. Nada disso teve êxito, pois não encontrou eco dentro da Universidade.
A Unisul é patrimônio da cidade de Tubarão, sendo a educação estratégica para o desenvolvimento da região em que a Universidade está inserida. Então, tratar a Unisul apenas como uma entidade “em crise” é ser desleal com a sua história, com seus pensadores, com seus estudantes, com os profissionais que formou e com o conjunto de seus trabalhadores. Nós sabemos que a crise pela qual a Universidade atravessa não é de hoje, não é de ontem, ela é estrutural, de gestão/gestões, porém são os trabalhadores de hoje que estão pagando pelos erros do passado e do presente e que já deveriam ter sido, há tempos, solucionados.
Estamos falando de uma crise institucional criada pela própria instituição e foi neste contexto que o Sinpaaet recorreu ao judiciário, pois não encontrou mais compromisso por parte da Unisul em cumprir com direitos básicos dos trabalhadores, que é o pagamento dos salários em dia. Ainda com essa preocupação, com o descompromisso e com o desprezo para com trabalhador que veste a camisa da Unisul e faz com que ela seja uma das Universidades com nota 5 no MEC, é que o Sinpaaet tem buscado informações sobre as negociações que a Universidade vem desenvolvendo com outros grupos educacionais, sendo que o Sindicato sempre se colocou como um parceiro para essas decisões. Mas infelizmente nunca tivemos acesso ou fomos solicitados para tais decisões.
Essa crise na Universidade e essas possíveis parcerias podem colocar em risco não só os nossos salários, mas também os nossos empregos. Está na hora da comunidade começar a se envolver com essa discussão, pois não perdem só os trabalhadores da Unisul e seus alunos, mas toda a comunidade e quem vive economicamente deste patrimônio da cidade de Tubarão.

Fonte: Sinpaaet

MAIS NOTÍCIAS

acao-contra-a-unisul-dobra-de-ferias
20/08/2021
Há dois anos, o Sinpaaet ingressou com ação contra a Unisul para o recebimento da dobra das férias dos colaboradores que... Leia mais +
convencoes-coletivas-2021-2022-saiba-mais-sobre-os-seus-direitos
20/08/2021
Importante destacar: nossas convenções coletivas de trabalho, a exemplo da Convenção 2021/2022, estão à disposição no li... Leia mais +
senhor-ministro-da-educacao-peca-outra-vez-desculpas-aos-brasileiros
20/08/2021
Profa. Patrícia Schlickmann Orlandi Presidente do Sinpaaet Sindicato dos Professores e Auxiliares de Administração Esc... Leia mais +
inscricoes-bolsas-de-estudo-abertas
11/12/2020
As inscrições para as Bolsas de Estudo Sinpaaet Unisul/Dehon, referente ao ano 2021, seguem abertas até o dia 31 de jane... Leia mais +
© Sindicato dos Professores e Auxiliares de Administração Escolar de Tubarão.
Demand Tecnologia